Você está aqui

Machu Picchu

Cidadela inca de Machu Picchu e Huayna Picchu

Como principal destino turístico da América do Sul, Machu Picchu (montanha velha, em livre tradução do idioma quéchua), representa não somente o máximo expoente da arquitetura e da engenharia Inca. A cidadela oculta no alto de uma montanha de 2350 metros de altitude e que esteve cinco séculos esquecida e oculta baixo a vegetação abriga um sem números de mistérios até os dias atuais. Localizada a quatro horas de viagem de trem desde Cusco, não foi até o ano de 1911 que o explorador norte-americano Hiram Bingham pode tirar a primeira foto das ruinas, primeira das hoje inumeráveis fotos clássicas com a memorável Huayna Picchu (montanha jovem) ao fundo. Hoje sabemos que Machu Picchu nunca esteve perdida, porém é inegável o mérito de Bingham, que projetou ao mundo esta imagem icônica.

São muitas as hipóteses sobre sua construção e função prática. A mais aceita propõe que Machu Picchu foi construída ao redor do século XV pelo imperador Inca Pachacútec, ainda que se observem no local fases de construção e estilos arquitetônicos bem distintos. Pachacútec é o mais famoso dos governantes Incas. Seu nome em quéchua significaria “criação e destruição” e a ele se atribui a maioria das grandes obras incaicas, apesar de que as hipóteses não se sustentem de outra forma que pelas lendas e mitos passados de geração a geração através da tradição oral. Importante: não confundir Pachacútec com Manco Cápac, o mítico fundador e primeiro governante da civilização Inca.

Tampouco se sabe com certeza a função prática destas construções. As teorias são diversas: desde fortaleza, mausoléu, observatório astronômico, templo ritual, claustro, até mesmo lugar de descanso e lazer do próprio imperador Pachacútec. São muitas as evidencias de elementos e estruturas orientadas e posicionadas astronomicamente, por assim dizer. Outro dado conhecido é que durante escavações realizadas no local a maior quantidade de restos mortais encontrados pertence a mulheres. Os conquistadores espanhóis nunca estiveram em Machu Picchu, mas não exatamente por falta de conhecimento, mas sim por falta de interesse, talvez pela distância ou pela ausência de grandes tesouros, comparando aos encontrados na cidade de Cusco, a capital do império.

São muitas as perguntas sem resposta sobre Machu Picchu. Sobre tantos aspectos talvez jamais teremos a certeza. Sobre muitos outros podemos afirmar, com total certeza, que este lugar possui uma magia indescritível. A energia que emana destas imponentes montanhas pode ser sentida por todos seus visitantes. Algo há aí. Por algo que Machu Picchu é o maior destino turístico do continente, patrimônio mundial declarado pela UNESCO, uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno. E por isso dizemos: venha e veja. E venha com quem é especialista no assunto, operador exclusivo e dedicado 100% a passageiros brasileiros, com os melhores pacotes para Machu Picchu. Consulte-nos e descubra as vantagens de se utilizar uma agencia de viagens local.

E ainda há alternativas para se chegar à cidadela sagrada de Machu Picchu. Você pode percorrer a Trilha Inca ou a Trilha Salkantay, que são as trilhas mais bonitas do continente, consecutivamente Leia também nosso blog para descobrir todas as maneiras doidas que os brasileiros inventaram para procurar mais informações sobre "Macchu Picchu", "Machupichu" ou "Machu Pichu" no Google. Conheça também nossos Pacote para Peru e programe sua viagem escolhendo o pacote que combina mais com você e com seus dias disponíveis.

História de Machu Picchu

Segundo a história, seu redescobrimento é atribuído ao explorador americano Hiram Bingham, porém algumas fontes indicam que o peruano e cusquenho Agustín Lizárraga chegou às ruínas nove anos antes do historiador americano. Agustín Lizarraga teria deixado uma inscrição em uma das paredes do Templo das Três Janelas, mas este registro fora eliminado.

Hiram Bingham que estava à frente de uma expedição da Universidade de Yale, redescobriu e apresentou Machu Picchu em 24 de julho de 1911. Foi apresentada ao mundo em 1913 quando a National Geographic publicou um extenso artigo sobre Machu Picchu e os trabalhos que ali se realizavam. Bingham realizou uma pesquisa na zona depois de haver iniciado os estudos arqueológicos para encontrar a legendária capital dos descendentes dos Incas, Vilcabamba, tida como baluarte da resistência contra os espanhóis, entre 1536 e 1572. Ao penetrar pelo cânion do Vilcanota, Bingham no desolado sítio de Mandorpamba, recebeu do camponês Melchor Arriaga o relato que no alto de um morro havia algumas ruínas.

Atraído pelas histórias das antigas ruínas Incas o explorador americano começou a sua busca e encontrou duas famílias, os Recharte e os Alvarez, que se instalaram nas plataformas ao sul da cidadela. Bingham finalmente chegou a Machu Picchu quando foi guiado por uma criança da família Recharte onde havia uma vegetação muito densa além de bastantes víboras que habitavam o local.

Bingham imediatamente compreendeu o enorme valor histórico das ruínas descobertas e entrou em contato com a Universidade de Yale, a National Geographic Society e o governo peruano, solicitando patrocínio para começar a explorar o sítio arqueológico Inca. O trabalho arqueológico foi realizado de 1912 a 1915.

 

Localização de Machu Picchu.

Machu Picchu se localiza a 132 km da cidade da cidade de Cusco, a antiga capital dos Incas podendo ser alcançada de várias formas, sendo as duas mais convencionais:

Roteiro Cusco, Ollantaytambo, Águas Calientes, Machu Picchu:

O sítio arqueológico está acessível a partir de Cusco por uma estrada que corta o deslumbrante Vale Sagrado dos Incas, até a província de Ollantaytambo onde se toma um trem até o povoado de Águas Calientes e pode-se optar para realizar a subida de mais de 7 km a pé ou de ônibus. Esta viagem tem um tempo aproximado de três horas e meia até o povoado de Águas Calientes.

Roteiro Cusco, Águas Calientes, Machu Picchu:

O sítio arqueológico está acessível a partir de Cusco por uma estrada férrea onde se toma o trem na Estação de Poroy que corta o deslumbrante Vale Sagrado dos Incas, até o povoado de Águas Calientes e pode-se optar para realizar a subida de mais de 7 km a pé ou de ônibus. Esta viagem tem um tempo aproximado de quatro horas e meia até o povoado de Águas Calientes.

A ausência de estradas para o santuário de Machu Picchu é intencional e permite controlar o fluxo de visitantes para a área, o que, dada a sua natureza de reserva nacional é particularmente sensível às multidões. Isso, no entanto não impediu o crescimento desordenado (criticado pelas autoridades culturais) de Águas Calientes, que vive por e para o turismo.

 

Transporte Ferroviário para Machu Picchu.

Para os transportes ferroviários existem duas empresas que fazem esta rota, a PeruRail e a IncaRail. A primeira é a mais usada pelos turistas por contar com inúmeros horários e por ser a única a sair da estação de Poroy (estação de trem mais próxima de Cusco). A PeruRail oferece um serviço mais tradicional para esta viagem, já a IncaRail oferece um serviço mais luxuoso com seus vagões panorâmicos e ótimos serviços a bordo.

 

Trilha Inca Machu Picchu.

A Trilha Inca foi construída pelos cusquenhos e era o modo como eles faziam para chegar até Machu Picchu, atravessando algumas montanhas da Cordilheira dos Andes. A trilha requer preparo físico e espírito aventureiro, pois você sobe até (Warmiwañusca)4.200 metros de altitude. É necessário contratar um pacote, uma vez que a caminhada independente não é permitida. O serviço inclui: ingressos, guias, carregadores, comida, cozinheiro, barraca, transporte até o quilômetro 82 da linha férrea e a passagem de trem de retorno à Cusco.

São duas opções: Trilha Inca Clássica, que são 42 quilômetros e é feita em quatro dias (três noites) e a Trilha Inca Curta que são dois dias (uma noite). Uma observação importante é que a trilha fica fechada no mês de fevereiro devido às fortes chuvas. É necessário fazer reserva, pois são permitidas apenas 500 pessoas por dia na trilha.

As principais cidades e províncias que circundam Machu Picchu são:

- Cusco
- Urubamba
- Ollantaytambo
- Águas Calientes

 

Clima de Machu Picchu.

O clima de Machu Picchu não foge às características de toda a região dos Andes Peruanos. Há somente duas estações distintas: a estação das chuvas, que vai entre outubro e abril, e estação seca, que vai entre maio e setembro. Porém, Machu Picchu está próxima da parte peruana da floresta amazônica e por isso há a possibilidade de chuvas durante todo o ano. Nos dias mais quentes, a temperatura pode chegar até 26ºC. No período mais frio, entre junho e julho, a temperatura chega a atingir –2ºC. A temperatura média anual é de 16ºC. As chuvas também podem ser inconstantes, alternando rapidamente para os intensos raios solares.

 

 

Gastronomia de Machu Picchu.

A rica Gastronomia Peruana é o resultado de uma fusão entre a tradicional culinária do antigo Peru e a culinária espanhola. Também se observa alguns costumes culinários trazidos pelos escravos africanos. Como uma característica exclusiva da culinária peruana, as artes culinárias estão em constante evolução e juntamente com a variedade de pratos tradicionais a torna única. O clima do Peru e também seus microclimas são propícios para um amplo cultivo de produtos agrícolas de diversas espécies. Se lhe interessa o assunto, não deixe de conferir nosso Tour Gastronômico.

Entre o mais tradicional no Peru temos:

- Ceviche de Pescado
- Chicharrón
- Lomo Saltado
- Tallarín Saltado
- Alpaca ao Molho Aguaymanto
- Cuy Colorado
- Pollo a La Brasa
- Sopas
- Ají de Gallina
- Chicha Morada
- Chá de folhas de Coca
- Pisco

Se você deseja enriquecer sua experiência com a gastronomia peruana, aconselhamos visitar os seguintes restaurantes:

- El Pachapapa Restaurante
- El Map Café
- El Chicha Restaurante
- La Cicciolina
- La Divina Comedia (com apresentação de ópera nas quartas e sextas-feiras)
- El Limo

Veja e confira nossos pacotes para Machu Picchu. Confira nossos pacotes em promoção para Cusco em 2017.

Leia nossas informações sobre os Pontos Turísticos para Machu Picchu.

Atrativos e Pontos Turísticos de Machu Picchu

Huayna Picchu.

Huayna Picchu ou Wayna Picchu (montanha jovem, em tradução livre do idioma quéchua) está localizada a frente da cidadela inca de Machu Picchu a uns 2667 metros de altitude e é a imagem que se visualiza no fundo das fotos clássicas de Machu Picchu. Este lugar foi utilizado na época dos Incas como um centro de vigilância. Você pode chegar ao topo da montanha usando o caminho do lado esquerdo da montanha, através de uma longa escadaria esculpida na pedra. Do alto se tem uma vista impressionante da cidadela e da Cordilheira dos Andes.

Para ingressar a este bonito mirante é necessário fazer a reserva com muita antecedência. Recomendamos pelo menos de 3 a 5 meses de antecipação, pois sua capacidade máxima é de 400 pessoas por dia divididas em dois grupos de 200 cada. O horário de ingresso para o primeiro grupo é das 7h00 às 8h00 e para o segundo grupo das 10h00 às 11h00. A subida até o pico não é recomendada para quem tem medo de altura.

 

Machu Picchu Montanha.

Localizada ao sul da cidadela Inca de Machu Picchu e na frente de Huayna Picchu, apresenta uma altitude aproximada de 3000 metros. O tempo estimado de subida até o pico é de aproximadamente 3 horas. A distância é um pouco mais longa do que a trilha para Wayna Picchu, mas vale a pena. É o ponto mais alto da cidadela Inca. Ao chegar ao topo você terá a vista mais impressionante de Machu Picchu e de sua beleza geográfica. Com certeza depois da experiência você vai querer voltar para sentir toda a energia da natureza. A caminhada dura de duas horas e meia a três horas, dependendo do preparo físico da de cada um. A capacidade máxima é de 400 pessoas por dia e conta somente com um horário de ingresso que é das 07h00 às 11h00. Esta opção não é recomendada para os que têm medo de altura.

Confira nossos pacotes para Cusco Machu Picchu em 2017.

  • Machu Picchu 1
  • Machu Picchu vale sagrado
  • Machu Picchu 3
Machu Picchu, Valle Sagrado Expresso

Deseja conhecer Machu Picchu, uma das 7 maravilhas do mundo, mas

2 Dias / 1 Noite
Saiba mais +

DirceturProm PeruPeruPeru - Ministerio de Cultura

Viagens Machu Picchu 2016 - 2020 (Desenhado por LLIKA)